terça-feira, 29 de setembro de 2015

Quarto fechado

Imagem daqui

Começaram a brigar pelo único campo ainda neutro na casa: a pia da cozinha. Ele cozinhava e lavava a louça, enquanto ela guardava. Isso não mudou, no entanto ela queria que usassem bucha vegetal e ele não abria mão da esponja. O casamento acabou aí.

Não havia mais pelo quê brigar, nenhum argumento era válido, nenhuma discussão levava a qualquer lugar, o diálogo outrora fluido deu lugar a monólogos cheios de rancor e acusações. Não cuidaram de si, nem do Amor, ou das outras virtudes que moviam a relação.

Hoje ela encontrou uma esponja no fundo da gaveta. Sentou-se no chão, como se sentisse alguma tontura, mas era apenas cansaço. Pensou num novo amor. Nenhum plano, nenhum projeto, nenhum desejo de que seja eterno, mas acudiu-lhe ao coração a vontade sincera de que se tivesse que acabar que fosse quando algo importante deixasse de fazer sentido.

Quando duas pessoas se unem a relação é uma terceira pessoa e é assim que deve ser tratada, cuidada, há que se sentir amor pela Relação como sentem um pelo outro.


Jogou a esponja no lixo, limpou a calça, depois as mãos, e foi aguar as plantas pensando em como deve ser bom 
amar em paz!

4 comentários:

Camilla Torres Penno Ribeiro disse...

Oieee adorei seu blog, ainda não conhecia...já estou te seguindo bjsss

www.reinomae.com

Patrícia Santos disse...

Obrigada, Camilla!
Também estou seguindo o teu ;-)

Rafaella disse...

Ta tudo bem querida? Foi um texto só de reflexão?
Lindo!
Deus proteja vocês :)
Bjs

Patrícia Santos disse...

Olá, Raffa! Foi uma reflexão, amora ;-)
Está tudo bem :-*