quarta-feira, 11 de maio de 2011

BLOGAGEM COLETIVA: “DIA DAS MÃES” COMBINA COM MÃE CONSCIENTE?

Fui, voltei, tudo bem, a vida segue. Cheguei em casa na véspera do Dia das Mães. Havia lembrancinhas acumuladas que a escolinha mandou diariamente por Marina, o computador estava quebrado e me aguardava um convite para almoçar domingo na casa da sogra. Como minha mãe não costuma dar muito valor ao Dia das Mães, fomos almoçar na casa da sogra e pegar o nebulizador na casa de minha mãe à tarde.


Fiquei olhando os badulaques que a escola mandou, pensando em como conversar com a coordenadora sobre o assunto. Como abordar o aspecto absolutamente comercial dessa data, se até mesmos as igrejas se rendem a ela? Como propor um questionamento sem ser antipática? Como dizer que não gostaria que minha filha crescesse valorizando eventos criados para que ela consuma e consuma e consuma?

Para começar, agradeci à professora - por escrito - as tais lembranças, dando destaque à que foi co-produzida por Marina. O passo seguinte será aproveitar um Encontro Pedagógico que teremos nos próximo mês. Daqui para lá organizo meus pensamentos e os transformo em seda.

De posse do computador, vou aos Blogs Maternos. Aí sim, o choque! Mesmo os que carregam o selo de NÃO AO CONSUMISMO INFANTIL estão com postagens híbridas sobre o Dia das Mães, quando não há mensagens de parabéns.

E a proposta então é pensarmos sobre a (quase?) ausência de questionamento sobre este Dia - tão Dedicado às Mães - na Blogosfera Materna.
Partindo de perguntas como: Por quê/Para quê/Para quem esse dia existe? A quem servirá ele? talvez consigamos encontrar algo que nos desperte, algo novo, que não esteja bem diante do nariz, ou na superfície da data.

Quem quiser participar desta Blogagem Coletiva cria uma postagem com o título desta e me manda o link como Comentário. Por ter poucos seguidores, podemos ficar no ar até o dia 20, quando encerraremos as discussões.

4 comentários:

Cintia Fernandes disse...

vou tentar pensar no assunto... apesar de ser uma data comercial, eu amo. assim como amo natal, dia dos namordos, pascoa etc. totalmente consumista a garota aqui. rs

Stéfany Caldas disse...

Essa semana entrevistei um antropólogo sobre o reconhecimento do STF da união homoafetiva, e ele me disse algo que acredito que possa incrementar a discussão. Não encontramos unicamente famílias formadas por pai, mãe e filhos. Encontramos avós que criam netos, tias e tios criando sobrinhos, e com a aprovação do STF, homossexuais também poderão formar famílias e criar filhos. A partir daí poderemos analisar, como fica a data para os pequenos? Imagine uma criança cujo ambiente familiar é composto por dois homens, chegando à escolinha e tendo que ensaiar uma apresentação para uma figura feminina. Ou o contrário, ser criada por duas companheiras, e ser questionada no mês de agosto, pelo papai que não foi jogar bola com os outros pais durante a característica confraternização...
Acho válido refletir sobre o tamanho da influência que as instituições fornecem a tais datas, e, sobretudo, se questionar sobre mudanças. Afinal, se temos uma população heterogênea, nada menos lógico que padrões. Talvez, uma forma mais maleável de se continuar a produzir comemorações, seria estender o tema ao “dia da família”, não se atendo a quaisquer modelos pré-estabelecidos.
E sobre a comemoração como um todo, assim como dia dos namorados, do beijo, da avó, do avô, do pai, entre tantas outras, é preciso observar que ao mesmo tempo em que visa congratular uma parcela que se enxerga naquele perfil, acaba por trazer um sentimento de exclusão e proibição de comemoração aos não participantes. De fato, um tema que precisa ser analisado e discutido mais profundamente. Ah, e parabéns pela iniciativa! :*

Patrícia Gomes disse...

Olá, Stef! Achei ótimo seu comentário e peço que faça um post dele em seu blog e me mande o link, p/ a gente começar a movimentar essa discussão, certo? Sua introdução ao assunto já me deu vontade de saber o que anda por essa cabeça :-)
Bjus

Cintia Fernandes disse...

tem selinho pra vc no blog. passa lá. fique atenta pq tem dois selinhos. veja com qual te presentiei