sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Dois meses de estudo: prova será domingo

Cansada, eu?! Uma noite qq depois de voltar do cursinho
São 11:17h, daqui a pouco saio para buscar Marina na escola. Estou em férias do trabalho desde segunda e desde segunda Marina chega da escola, toma banho, almoça e vai passar a tarde na casa de minha mãe para eu poder estudar. Bom, na quarta senti saudades demais e ficamos em casa e detonei horas de estudos que, obviamente, não conseguirei recuperar, mas se não tivesse sido assim, teria sido pior.
Desde 04/07 estou fazendo cursinho à noite e tive aulas extras nos três últimos sábados. Precisei sobrecarregar o Paulo durante esse tempo todo e minha mãe entrou no bolo nesta semana. Precisei não me desesperar com a casa meio bagunçada e com o corpo cansado e com o sono eterno. Mas também aconteceu de tudo: minha pequena adoeceu, daí depois adoeci eu, morreu uma tia minha e recentemente uma amiga do Paulo e até surgiu uma viagem a serviço. (O Paulo acha que preciso me benzer, mas temos viagem marcada para a praia logo após a prova e não há melhor banho de sal grosso do que no mar!)
Tenho observado que muit@s colegas de cursinho e de estudo têm se mostrado descrentes sobre passar nesse concurso, principalmente após a divulgação da concorrência. Alguns nem vão mais às aulas e a maioria já diz que se dedicará mais para o próximo. Só num dos casos, da minha amiguinha Cintia, gravidíssima-fofíssima-em-reta-final-de-gestação, vejo que a justificativa não tem a ver com desânimo. Já eu, continuo estudando com o mesmo pique de antes, e até mais animada já que com o acúmulo de conhecimento já acerto mais questões e tals. O fato é que a diferença entre minha atitude e a dos demais é tão gritante que passei a ME questionar: será que não virei Alice jurando que estou no País das Maravilhas? Não, não é isso, é que realmente não sou de desistir. Apesar de tudo que aconteceu nesses dois meses, aproveitei todo o tempo que tive para estudar; fiz e refiz vários cronagramas de estudo; planejei inclusive essas férias de 10 dias que dariam 7 dias para estudar e 3 para descansar.
Ontem, na última aula de Direito, o professor fez uma oração com a turma e disse mais ou menos "Gente, a parte de vcs está feita, vocês estudaram, agora é entregar nas mãos de Deus!" E é isso mesmo, sei disso (apesar de estar com taquicardia desde quarta-feira rsrs), mas sei principalmente que a corrida não está perdida até que alguém vença, até que ela termine.
Já fui de equipe de atletismo e sei do que estou falando. Competir com as colegas não era algo que me agradasse, não me estimulava, então aprendi a me colocar como referência de superação. Focava no que tinha sido o meu melhor e onde podia avançar mais um pouquinho. 
Aprendi a jogar xadrez com um amigo da família e lembro que estávamos em nossa segunda ou terceira partida, lá em casa, e o tempo passando e nada de ninguém ganhar. Ele, o Marcos, ia para casa de ônibus, e começou a apelar para meu "bom senso" pedindo que eu desistisse logo, já que não ganharia mesmo (eu sabia disso) e ele precisava ir para casa. Apelou para minha mãe "Dona Zey, converse com sua filha, ela não vai ganhar..." e minha mãe "Se você quer ela desista, vai perder seu ônibus, ou então desista você". Resultado? Lá pelas tantas ele quase grita 
"NÃO ACREDITO, não acredito, não acredito" 
Olhei, olhei, eu não havia ganho, mas o que era aquilo? 
"Que foi?" eu perguntei 
"Eu não acredito, você empatou, eu não perdi, mas o jogo não anda, empatamos...que cagada!" E lá foi meu mestre, a pé, para casa e lá ficamos eu e minha mãe deslumbradas com o que para nós soou como vitória. Da persistência, pelo menos.
É isso. Reta final. Horas finais para o fim da corrida ou da partida. Além do cansaço um sentimento de muita gratidão ao apoio irrestrito que recebi de Paulo neste período. Paciência, compreensão, confiança, companheirismo...além de ficar com Marina dia e noite, ainda tinha o sábado ou domingo, que eu tirava para estudar e então ele tinha que sair com ela (quando está comigo, ela simplesmente não dorme). 
Acho que vou repetir Paciência :-)
Agradecimentos mis à minha mãe também. A ambos, por não me pressionarem de forma alguma, não me fazerem nenhuma espécie de cobrança para passar. Não imaginam como isso está sendo fundamental para manter minha sanidade neste momento!
É isso. Valeu e boa sorte para nós

2 comentários:

Cintia Fernandes disse...

É isso aí amiga, como o professor falou: a sua parte foi feita! Agora é deixar nas mãos de Deus. Não adianta desestimular por conta de concorrência. Aqueles números não dizem nada. E lembre-se, a corrida e a vida de concurseira não é fácil. Realmente é preciso abdicar de família, descanso, horas de sono, lazer... Mas a persistência, como vc fez no jogo de xadrez, faz o vencedor. se não for dessa vez, fica a dica. Continue buscando! Vc é determinada e achei lindo isso em vc. Seu marido te apoia pq sabe que é o melhor pra toda a família. E é fundamental o apoio da família nessas horas. sei bem disso. Como falei, nem consegui estudar o quanto queria pra esse concurso. final de gestação, procura pela babá, obras em casa, mudanças... Mas continuarei na busca. e tentarei nos 7 meses de licença maternidade estudar, embora parece impossivel conseguir!

beijoooooo
boa sorte!

ah! terezinha trouxe brigadeiro pra vc e pra mim hj. mas como vc nao tava, advivinha quem ficou com o teu??? nao é dificil descobrir ne? kkkkkkk

Patrícia Gomes disse...

É isso mesmo, Bee, vamos continuar!