domingo, 3 de junho de 2012

Muito mais que TERAPIA DO DESAPEGO

Sacos de brinquedos para doação e brechó
Essa tal arrumação que toma deliciosas horas de meu findi e feriados começou em novembro passado, de quando foi feita a foto acima.
Desde então ando remexendo, revirando, desmontando, refazendo...
Revisteiro com uma caixa que ia para o lixo e sobras de tecido
Nem é que eu tenha tanta coisa assim para me desfazer, tenho até a impressão de qualquer dia vou ligar para a minha chefe e dizer que não poderei trabalhar porque precisarei antes comprar roupa. Já se foram livros, CDs, fotos (digitais tbm, nada escapou), brinquedos, roupas, enxoval de cama e cozinha, extenções elétricas, móveis, no-break, cadastros em sites.
E hoje, foi-se meu roupeiro. Aliás, todos os embutidos do meu quarto e a prateleira-juntadora-de-pó que verão acima da janela.
Meu quarto, visão da janela
Quando compramos este AP agradecemos aos céus por ele ter embutidos todos os móveis de que não dispúnhamos. Só depois é que viemos saber que estavam com aquele tipo de cupim (eu acho) que não destroi a casa mas transforma a madeira em pó branco. Daria para segurar mais um ou dois anos, mas eu "resolvemos"  fazer novo roupeiro, fizemos cotações de preços, até decidimos com quem faremos, modelo e tals...mas aí, no meio do caminho tinha eu.
Nesse processo de reorganização que é mais interna e muito menos exterior. Que é um incômodo prazeroso, um jorro de desafogo e desapego, uma vontade necessidade de "liberar espaço", de não decidir nada enquanto não estiver tudo vazio (Epa! estou falando do quarto ou sobre ter 40 anos?).
Sim, 40 anos. Daqui a 16 dias. Não lembro de ter tido crise alguma em nenhuma idade, mas acho que estou em crise - eu e minha amiga também Patrícia e também à beira dos 40.
Sem condições, no momento (desde novembro), de racionalizar demais, estou vivendo intensamente esse processo, borboleteando, indo com calma quando posso, deixando o copo vazio para ser cheio novamente.
Como não sei mesmo onde falo no quarto e onde falo de mim, vou dizer o que quero mudar nele, ok? TUDO
O roupeiro sem nada mais dentro
 Já pensei em colocar gesso no teto, trocar o piso, a cama, a janela (que odeio do fundo da minha alma), as caixas das portas do quarto e do banheiro, a pia e o espelho do banheiro, acho que só ficarão os quadros mesmo. Os do Paulo porque os pequenininhos da outra foto já estão com as horas contadas. É sempre quando estou sozinha que faço essas arrumações. Nossas coisas estão no roupeiro da marina, que é enoooorrrrme porque Deus é pai! e se meu amorzão não tivesse chegado em tempo eu teria metido a marreta e nem essa foto teríamos, nem roupeiro, prateleira, sapateira, e nem meus braços por causa da tendinite que certamente atacaria.
E passou-se mais um domingo de arrumação e que venha uma semana mais leve, com a casa arejada para receber bons ventos...

5 comentários:

Rafaella disse...

Eita arrumação rs...
Mas é bom ne, parece que alivia a aama tambem...
E por favor, nem pense em ter crise dos 40...
Essa idade é otima, você esta linda e com uma experiencia incrivel que muitos queriam ter...
Agora o proximo ve se a dona ai pega para descansar viu, deve estar precisando...
Bjs

Anelise Csapo disse...

Eu tb adoro essas arrumações arrumadas! Caprichou, hein? E a janela que vc tanto odeia, hahaha...achei engraçado!

Patrícia Gomes disse...

Rafa, acho que vou seguir seu conselho e passar a próxima quinta-feira de pernas para o ar :-)
Anelise, tou caprichando e qdo reconstruir tudo vc verá que a janela era mesmo odiosa!
Valeram as visitas, meninas.
Bessos

Sharon Caleffi disse...

Oi Patrícia!!! Não conhecia seu blog ainda! Muito legal, sua filha é linda!

Sobre o preço do livro infantil... muita gente fala pensando no próprio umbigo, não é? É bem elitista dizer: "pais que não compram livros para os filhos devem rever prioridades, R$ 40,00 é o preço de um ingresso de futebol, lá lá lá".

Como se os pais não pudessem se divertir... enfim. Minha intenção é festejar o livro barato também, porque tem muito preconceito... claro que tem muito livro caro MARAVILHOSO, mas não precisamos comprar só livro caro pras crianças!

Patrícia Gomes disse...

Sharon, vamos disseminar essa ideia do "livro barato" de forma que se transforme num viral, quem sabe?