domingo, 12 de agosto de 2012

Diversão de mãe

Fran, Anderson e eu no FIG 2012


Parece que quando a gente “vira” mãe tudo na muda completamente – quando não radicalmente. Passei 4 anos administrando essas mudanças, desde que soube estar grávida, e agora posso dizer que estou num processo de reencontro comigo mesma. Sou outra, é claro, mas a mudança que se deu nesses 4 anos certamente eu teria vivido em 40 se não fosse o advento Marina na minha vida. Se tivesse vivido, é claro.
Neste post falei da vontade de ir ao Festival de Inverno de Garanhuns assistir aos shows de Marcelo Jeneci, Lenine e Milton Nascimento e da grande angústia à La “culpa de mãe” que estava me afligindo.
Marcelo Jeneci
Super LENIIINEEEEE

Como se precisasse apresentação, mas td bem: MILTON NASCIMENTO!
Pois fui, vi e vivi. E foi bom demais! Minha intenção maior era ver Lenine, mas a apresentação de Milton me fez sentir muito feliz por estar viva e é exatamente isso o que a arte faz por mim, principalmente a música.
Outra vantagem foi estar no alto dos meus 40 anos e conseguir trabalhar a sexta todinha, ficar zanzando pela FIG entre 20 e 22h e a partir daí pipocar a poucos metros do palco até as 3:40h, quando terminou tudo e retornamos para o ônibus. Sim, retornamos, pois estávamos em 3, eu e meus protetores Anderson e Fran, que são namorados, foram um casal lindo e ficavam o tempo todo me pageando. Tive que explicar (em LIBRAS também): “Mim 40, vocês 18, ok?” é o cuidado de quem gosta e por isso é uma delícia. Cheguei em casa às 6:30h tomei banho, café da manhã e Paulo me levou para a aula. Isso mesmo: fiquei das 8:30 às 16h na universidade vivinha da Silva. É ca-la-ro que eu jurava que isso seria impossível, porque é ca-la-ro que eu nunca mais havia feito e é ca-la-ro que eu tinha esquecido como a música me vivifica. Enfim, maravilhosas surpresas num evento, por mil motivos, imperdível!
Único lugar quente da cidade :-)
Macaxeira com carne de sol. Ela tbm comeu!
Fran com frio porque não estava pipocando, é claro :-)

Assim sendo, o título DIVERSÃO DE MÃE é mais uma reflexão, um chamamento à tiração de rótulos do que à confirmação dele. Diversão de mãe, de pai, é diversão de gente, da pessoa que era antes e pode ter mudado e agora gostar de outras coisas, que podem ou não ser outras + as mesmas de antes. A experiência foi libertadora para mim, que tive de volta momentos que amo e voltei sem culpa, sem angústia alguma. Lá, então, ouvindo os ÓTIMOS músicos que se apresentaram, é que a culpa se esvaiu como fumaça que era.



2 comentários:

Anônimo disse...

Boa tarde!
Gostaria de enviar sugestões, você pode me passar seu contato pelo meu email, luanajohns16@gmail.com

Patrícia Gomes disse...

Olá, Luana, pode enviar as sugestões aqui mesmo. Como ssou moderadora, posso ler e não publicar.
Obrigada pela visita,
Abraços