domingo, 13 de outubro de 2013

Brinquedos para doar - isso é bom ou ruim?

Ow, jura que minha casa está assim! (Daqui)
Na sexta-feira Paulo e eu fizemos mais duas feiras de troca de brinquedos. Desta vez na escola em que Marina estuda. Havia mais brinquedos para doação do que para troca e não é porque os doados estivessem em mal estado, não. O que me leva a crer que era excesso mesmo.
Sabe quando a realidade é muito dura e você quer fugir dela? Sou eu e a cara da minha casa com 172 brinquedos aguardando que o carro do CREN-AL venha buscá-los na segunda-feira. Nem coragem de fazer uma foto da verdade nua e crua eu tenho, por isso achei essa foto bem asseada acima. Linda, né?

Conheço pessoas que fazem caridade e isso lhes faz bem. Eu não faço parte dessa cepa, não adianta.

Eu olho para esse amontoado de plástico e me entristeço por saber que a maioria vai passar 500 anos sobre a face da Terra. Me entristeço porque há crianças que se não receberem brinquedos doados (sejam novos ou velhos) não vão criar brinquedos com tecido, caixas de fósforo ou de sapato (com eu fazia), não vão criar uma fazenda com boi de chuchu e nem boneca de espiga de milho (como minha mãe fazia) e menos ainda nadar no rio de noite, aprender a subir em árvore aos cinco anos e a tocar cavaquinho aos nove (minha avó). 
As crianças esperam brinquedos porque acreditam de verdade que, sem eles, não podem brincar. Os pais ou responsáveis acreditam, de verdade, na mesma coisa além de ser bem mais simples entregar um tablet do que um livro que a criança não vai ler sozinha, neh?.
Recolho os brinquedos que sobram das feiras, junto com os que recebo para doação e, sem hipocrisia, não fico feliz em doá-los. Quero que a cada ano a quantidade diminua: de crianças querendo, de crianças doando. Quero doar bonecas de pano ou de madeira, carrinhos de lata, fantoches de meia, retalhos de tecido com manual escrito a mão sobre como fazer um mamulengo. Quero fazer feiras de trocas até que ninguém mais queira trocar brinquedos, apenas doar, porque quando quiser um novo haverá uma brinquedoteca (de verdade) ou biblioteca próxima onde poderá pegar, brincar/ler, devolver e fazer seguir o ciclo da vida.
É por isso que estou na Aliança pela Infância :-)

2 comentários:

sheR disse...

É bom, até o ponto onde a pessoa quer doar porque gosta e se sente bem...
O que eu acho que virou um problema é o seguinte: Hoje em dia, as pessoas querem se fazer de boazinhas, e aí comprar brinquedos ou dão os brinquedos velhos e fazem questão que todos saibam disso, pra todo mundo parabenizar, como se ela fosse virar santa por doar aquilo.
Não é dificil vc ver coisas do tipo: Hoje eu vi um mendingo, parei e comprei um lanche pra ele.. Aí tira uma foto do pobre mendingo com o lanche e posta no facebook.
Isso na minha opinião é hipocrisia.. Se você quer ajudar quem precisa, apensa ajude.
E como você falou, se quer que tenha um real significado, tira um dia, leva uns materiais pra um orffanato, e chama as crianças pra confeccionar seus proprios brinquedos.. Também não faz mal nenhum.
bjO

Patrícia Gomes disse...

Oi, Sher! Essa de postar no face é de morrer msm! Bjus e obrigada pela visita!