domingo, 26 de janeiro de 2014

Como se conta um milagre?

Imagem daqui com edição minha
Chorei.
Chorei.
Chorei...
..Muito e lavando a alma, como faço agora mesmo, ao escrever.
No dia 31/12/2013 surtei. O ano tinha sido tão difícil, era o último dia, o ano seguinte começaria sem nenhum vislumbre de solução para os problemas que eu vivia naquele momento - e eu não admitia isso! Nunca havia me ocorrido. Era a total perda de controle da situação, da minha vida. E eu surtei. Nem fui trabalhar nesse dia, nem consegui sair da cama até a noite, quando decidi que minha família merecia uma passagem de ano com a mãe de pé e a casa linda para receber o ano que eu não queria que chegasse porque eu não aceitava que o outro acabasse daquele jeito.
Promessas de ano novo? Como!? Sonhos? Sem chance. Trabalhadora que sou, carregadora de piano, lavradora de mão cheia, decidi reduzir minhas atividades ao essencial. Isto, para uma geminiana-leonina é tarefa herculínea, mas se não pude mudar o que havia de tão próximo (os tais problemas) decidi não ter maiores ambições. Decidi que os problemas que se resolvam/ou não, mas vou caminhar com o peso que for e carregar meus badulaques.
Decisão/oração: "Este ano não vou trabalhar sozinha na Aliança" Gosto de trabalhar em grupo, sinto falta disso e sei que os grupos me fazem crescer e fazem o movimento crescer, o que é urgente em Maceió. ponto. Passei a acessar mais ao face, movimentar mais a comunidade que criei para divulgar o movimento e atrair parceir@s e voluntári@s.
Daqui

Daí estava a passeio com mãe, sobrinhas, marido e filha num dia muito alegre e fomos visitar o Pavilhão do Artesanato, onde eu pretendia comprar apenas uma bolsa. Lembrei de uma loja que gostava de visitar e fui lá comprar um jardim zen para uma aniversariante muito especial. Era 11/01, melhor não esquecer essa data. Além do jardim fiz outras compras e encomendei dois panôs.
Na mesma semana começo a leitura de uma reportagem sobre "A yoga do amor divino". Ao chegar em casa a sobrinha de meu marido havia me enviado, pelo facebook, um convite sobre a visita do monge indiano SRIPAD VANA MAHARAJA, achando que eu fazia parte desse "grupo". Comentei com ela que não, mas que por "coincidência" hã? comecei naquele dia uma leitura a respeito e tratei de aceitar o convite e enviar para quem achei que interessaria.
Dias depois, fui buscar minha encomenda e a artesã, que é devota do monge e até então eu não sabia, me contou que será sua anfitriã e disse ter conhecido meu blog, falou de sua vontade de reunir pessoas para ouvi-lo pela manhã, informalmente, pois ele corre-mundo para pregar e passar o dia "ocioso" não é sua praia. Falamos alguns nomes que conhecíamos, ela citou pessoas que contatou e não estarão disponíveis e pedi um cartaz para mostrar a algumas pessoas que - creio - serão receptivas. 
Daqui
E então, quando podemos sinalizar que o milagre começou? Que "o Verbo se fez carne e habitou entre nós?" Terá sido nesse ponto que descreverei a seguir? Terá sido quando meu pai e seus irmãos, nos anos 70, fundaram um orfanato? Terá sido quando casei com Paulo, único desenhista/pintor alagoano a pintar as crianças e cujos pais adotaram mais de 30 crianças? Ou foi mesmo quando Andressa fofa me convidou para fazer parte da Aliança...ou quando conheci Giovana, Ute e seus olhos estelares?
Namaste, meu querido! (daqui)
Daí que Marina e o pai entram na loja, haviam ficado me esperando no carro já que eu apenas entraria e pegaria a encomenda pronta. Passamos a falar sobre crianças e comentamos como são especiais, então eu disse que sentia que havia forças nefastas agindo sobre elas, como se O Mal soubesse serem elas as salvadoras do nosso Planeta e por isso estivesse agindo tão cruelmente com elas, de todas as formas possíveis, sem diferença entre raça ou classe social. Marina saiu correndo, fui atrás dela, voltei para nos despedirmos e Marina adorou o marido da dona da loja, que acabara de chegar.

Daqui
Na última sexta-feira (24/01) nos falamos por telefone, a anfitriã do monge e eu. Uma conversa breve, eu queria dar notícias sobre os contatos que estava fazendo. Foi quando ela disse que após minha saída entrou na loja alguém que trabalha no Juizado da Infância e Adolescência e praticamente deu continuidade à minha fala. No dia seguinte leu este blog, gostou muito e começou a pensar nas pessoas a quem indicaria até que (SERIA ESTE O MOMENTO DO MILAGRE OU TERIA SE DADO DURANTE SEU SONO?), numa empolgação muito conhecida minha ela diz "Preciso trabalhar com crianças! (...) Depois que o monge se for nós conversamos, meu marido tem a maior empatia com crianças, nós vamos começar um trabalho...".
A ligação caiu.
Chorei.
Chorei.
Chorei.
Liguei para meu marido para contar a bênção recebida e como estava trabalhando num depósito, sozinha, chorei-sorrindo a plenos pulmões! Água da fonte mais pura jorrava de dentro de mim, eu não pensava nada, só boiava, mergulhava, me banhava nela, sentia toda a falta de gravidade me deixando levitar. Putz, bem no início do ano, eu já relacionando na agenda as pessoas para quem iria começar a ligar para organizar a Semana Mundial do Brincar e recebo mãos que brilham para segurarem minhas mãos numa ciranda mágica!
Nos vemos lá! \o/

6 comentários:

Rafaella disse...

Nossa que legal..
Deus sempre nos tras surpresas ;)
Bom evento!
Bjs

Luma Rosa disse...

Oi, Patrícia!
Você foi iluminada!
Não acho que as coisas acontecem por acaso ou que almas se encontram por acaso. O universo se move à favor do bem!! Torcendo para que mais peças desse tabuleiro se encaixem!!
Beijus,

Patrícia Gomes disse...

Luma, também tenho essa sensação de quem vem mais coisas por aí e à minha mente surge a imagem dum rizoma, sabe como é? :-)

Patrícia Gomes disse...

Pois é, Rafa, a gente que às vezes esquece um pouco dessa faceta dele tão gostosa :-)

Stéfany disse...

Fiquei ao mesmo tempo surpresa e feliz de ter participado dessa sucessão de "coincidências" que te trouxeram paz e renovaram tuas energias neste início de ano. Desejo que seja apenas o começo de uma grande parceria pelo bem da infância. E que a vida lhe traga sempre combustível, dessa maneira tão bonita, para que você levante da cama e continue a dançar a ciranda da vida. Bjo.

Patrícia Gomes disse...

Stéfany, vou guardar suas palavras-oração no meu coração e serão minha reserva de força, amore! _/\_