quarta-feira, 26 de outubro de 2011

"A minha dor eu controlo, já a dos meus pais..."


"A minha dor eu controlo, já a dos  meus pais..."

                                                            Rhanna, 19 anos‏




A frase do título é da moça que teve o antebraço partido em dois lugares por um rapaz que quis beijá-la. Meu marido sofreu um acidente e precisou colocar prótese no braço igual à Rhanna e sei de perto o quanto isso machuca e incomoda. Só não sei como ele sabe, nem sinto como ela sente, apenas imagino.



Minha pequena Marina fará 3 anos daqui a cinco dias e quando penso que daqui há 16 anos ela poderá estar numa festa e ser abordada por algum rapaz e poderá dizer NÃO à paquera dele...penso que ela deverá ser respeitada em seu desejo – ou seu não desejo. Não quero imaginar minha pequena dizendo uma frase dessa, não quero imaginar minha menina controlando a sua dor-de-antebraço-quebrado-em-dois-lugares e preocupando-se com a minha-dor-de-mãe. Também não quero me mudar para uma fazenda no meio do nada, fazer parte de uma seita, usar tecidos fluídos de cor nude para evitar que minha filha passe por uma coisa dessas. Cada época tem suas dores e seus sabores e eu, mãezinha dedicada, tenho 16 anos para ajudar a mudar a situação atual de forma que consiga dormir tranquila, confiando na orientação que demos à Marina e na estrutura de segurança pública que a resguardaria duma situação nefasta como as vivenciadas nos links abaixo.


O problema não é somente de geração. O problema não é “somente” de machismo mas principalmente de falta de segurança pública. Ou alguém vai ousar dizer que vê um policial a cada duas quadras? Eu nunca mais na vida vi um policial, no máximo um guarda de trânsito ou viaturas da polícia com armas à mostra. A população aumenta, a violência aumenta e uma matemática simples obrigaria o Governo a aumentar o policiamento ou dar um tratamento diferenciado à política de segurança. Não acontece uma coisa nem outra. E não sei o que acontece, só sei que a polícia sumiu. Só sei que há alguns meses a polícia fez greve e depois de dias e dias parados alguém no ônibus comentou “A polícia já voltou? Nem notei que tinham saído”. Eu andava pensando a mesma coisa.






POR OCASIÃO DA GREVE NÃO HOUVE RELATO DE AUMENTO DA VIOLÊNCIA E NEM NADA DESSE TIPO. ELES NÃO FIZERAM FALTA PORQUE A FALTA JÁ É A REGRA.




local de onde tirei a imagem http://chacinometronarede.wordpress.com/






http://fantastico.globo.com/Jornalismo/FANT/0,,MUL1676309-15605,00.html














http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2011/10/entrevista-com-dani-moca-atacada-na.html














http://escrevalolaescreva.blogspot.com/2011/10/homens-se-passando-e-mulheres-se.html








4 comentários:

Marcela lusia disse...

é bem dificil essa situação de violencia que enfrentamos diariamente...
sempre me pego a pensar o que o futuro mim reserva e a minha princesinha, será que a violência aumenta ou finalmente aparecerá politicos cheios de excrupulos que farão a diferença...
se é assim ou não só me resta tentar protege-la e ensina-la coerentemente. dificil mas ser mãe não é fácil, e nesse mundo é dificil controlar a minha dor e dela.
adorei o post
beijokas

Cintia Fernandes disse...

saudade de vc bee. vc nem imagina! qualquer dia apareço ai no aeroporto com clarissa pra matar um pouquinho a saudade. qd tera um bolinho aí? kkkkk
quanto ao post menina nem me fale. acreditaaaa que robinho já começou a falar que ela não vai namorar cedo, que não sairá pra shows, que não é pra eu corujar se não irá sobrar pra mim...
é complicado a situação da rhana mesmo, e a dos pais dela?
a gente cria com tanto amor, evita bater, evita brigar e vem um cara e faz aquilo??? afffff

- Futura mãmã ! disse...

Gostei bastante do post!!

Beijoo

Camí Espíndola disse...

Por isso peço a Deus discernimento para que eu consiga educar meu filho, para que não se torne um troglodita, machista. Por isso tenho tanto medo de ter menina :/ Estamos sujeitas a tantas coisas!

Beeeijos