sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Quando chorei hoje


Quando saltei do ônibus, em frente a um bosque denso e ao som de buzinas e motores às minhas costas, olhei para o céu procurando a lua. 
Sem lua. 
Céu escurecendo. 
Logo, céu escuro.
E onde está a lua prometida para hoje?

Passo a passo, dentro da absoluta inexistência pertencente aos caminhantes em meio ao trânsito, meu pranto gritou! Olhos formando diamantes onde houvesse luz, soluçava sem pudor com o corpo inteiro acompanhando. 
Meus ombros saltavam com a liberdade de ser ninguém.

Como sangue de parto, que escorre com força e sem resistência, chorei.

Dizem que alguns sentimentos implodem, enquanto outros explodem...e avalio a total impossibilidade de tal acontecer comigo. A implosão requer a entrada de algo estranho (o explosivo) entre em mim, o que não permito. A explosão, essa destrói tudo - além de mim - o que jamais faria.

O máximo que consigo é chorar atravessando a faixa branca, enquanto a vida é só minha.

Nenhum comentário: